O bullying ou acosso escolar nas escolas de Madrid

Compartilhar
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someone

Post por Juliane D’Amore, autora do blog Mel a Mil pelo Mundo

Quando decidimos sair do Brasil e vir morar em Madrid, um dos meus receios era como seria a adaptação das gurias na escola e, consequentemente, se poderiam acabar sofrendo bullying ou acoso escolar, como é chamado aqui.

Pode ser paranoia de mãe, sabe como é, tendo um milhão de coisas boas pra pensar acabamos sempre pensando no pior. Mas eu imaginava várias coisas: são brasileiras, não falam espanhol, não conhecem os hábitos, etc, etc, etc.

Aqui o bullying ou acoso escolar é tratado com muita seriedade e ativamente nas classes. Bem, falo pelos colégios das meninas. Óbvio que não posso falar por todas as escolas de Madrid, mas imagino que a diretriz seja a mesma para todas. Também não sou especialista no assunto, não sou profissional da área da educação, então só posso falar como mãe. Meu objetivo não é fazer uma explanação científica, apenas relatar – ou melhor, vou deixar que elas mesmas relatem – como é conduzido o tema no dia-a-dia delas.

Mas o que é bullying?

O bullying é um maltrato físico ou psicológico praticado deliberadamente e continuamente por um aluno a outro, de forma cruel, com a intenção de humilhar e assustar.

Alguns dados importantes sobre o bullying na Espanha em 2016, em um estudo realizado pela Save the Children:

  • 9,3% dos alunos já sofreram algum tipo de acosso, em algum momento;
  • as meninas sofrem mais bullying do que os meninos;
  • 19% dos acossadores disseram que não sabiam porque o faziam;
  • 14,5% disseram que faziam só por brincadeira;
  • 22,6% recebem ofensas diretas com frequência;
  • 20,9% recebem ofensas indiretas com frequência;
  • 14,6% sofrem difamação

bullying ou acoso escolar

Bullying ou acoso escolar, temos que falar sobre isso

Bem, voltando a falar sobre a experiência das meninas. Ambas têm uma disciplina chamada “Valores Éticos”. Ela é uma alternativa às aulas de religião. Na verdade, quando o aluno opta por não ter aulas de religião, ele terá esta matéria. Ou seja, opta por uma ou outra. Como não somos católicos, escolhemos Valores.

Nesta aula, os tutores falam sobre as condutas éticas, as diferenças entre as pessoas, o respeito que cada aluno deve ter pelo outro, independente de cor, raça, religião etc. Imaginem que as crianças estão inseridas em um ambiente que tem uma diversidade cultural, religiosa e racial muito grande (assim é Madrid!). Para ter uma ideia, as melhores amigas da Elisa são uma chinesa, uma árabe e uma filipina. É fundamental que eles saibam respeitar uns aos outros, apesar das diferenças.

É neste momento que o professor abre espaço para os alunos falarem:

“Na nossa aula de Valores temos o ‘Círculo da Confiança’, onde cada um pode falar o que sente, se já viu alguém fazendo bullying ou mesmo se sofreu algum tipo de agressão. O que a gente fala fica ali. O professor conversa, explica. Se acontece alguma coisa mais séria a gente pode falar com o professor. Aí ele vai resolver com quem fez.” Luisa, 5° ano.

No caso da Elisa, além da aula de Valores, também existe a aula de tutoria. É um dia da semana onde eles se reúnem com o professor responsável pela turma para expor situações que estejam interferindo no relacionamento tanto entre os alunos como entre alunos e professores.

“A tutora nos entregou um papel para que a gente escrevesse – anonimamente – alguma situação que tivéssemos visto ou que tivesse nos incomodando. Aí ela pegou os papéis e passamos a discutir o que podia ser feito para mudar a situação. Na nossa escola também tem os alunos responsáveis por observar algo que possa caracterizar o acoso. Se eles virem alguém “afastado”, se virem que tem alguma briga na sala ou algo assim, eles podem intervir ou passar para a tutora.” Elisa, 2° ESO

Pelo que pude perceber através do que as meninas comentam e também do que tratamos nas reuniões de pais, os professores conversam bastante sobre o assunto com os alunos. Os responsáveis também são chamados quando necessário. A escola não faz “vista grossa”.

Na verdade, este é um trabalho em conjunto entre educadores e famílias, para que o ambiente e convivência escolar se mantenham em equilíbrio. Contudo, mesmo com ações de conscientização, sabemos que é um problema recorrente e que pede uma resposta rápida.

A Comunidade de Madrid criou um protocolo para correção e sanção do acoso escolar, clique para acessar.

Se você tiver algo para acrescentar a esta postagem, deixe seu comentário.

Juliane D’Amore, gaúcha, casada e mãe de três meninas que foram a inspiração para o blog MEL a Mil pelo mundo. Nele, conta como está sendo a mudança da família para Madrid, além de dar dicas de passeios e viagens com crianças.

Compartilhar
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someone

2 comentários sobre “O bullying ou acosso escolar nas escolas de Madrid

  1. Boa Noite Juli! Realmente algo que como mãe me preocupo muito. Trabalho em um colégio onde recebemos alunos de inclusão então o bullying se quer passar pelas nossas vistas e ficamos quietos, mas claro que sabemos que existe porque os que praticam muitas vezes fazem de uma forma que não notamos e o que sofre por qual seja o motivo se esconde. Muito triste e lamentável em um mundo com tantas diversidades, de genero, classe social, religião ainda sofremos com tantas agressões. O respeito é e sempre será a base de tudo e se isso não for passado em casa, não será na rua que irão aprender. Bjus Fabi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *